sexta-feira, 25 de Março de 2011

Conta-me como Era...

Pensar numa receita da minha infância é trazer à memória a minha bisavó e a sua doçura, o seu sorriso, os seus olhos brilhantes e o seu vestido preto com bolinhas brancas.
.
Pensar na minha bisavó é pensar no carinho que povoava os meus dias, trazer para o hoje o arroz doce polvilhado de canela e comido ainda morno, as peras bêbedas comidas em Junho e as fatias douradas de domingo….
E é pensar nos seus “roscos"… herança das “rosquilhas” trazidas por antepassados do país vizinho.
.
É lembrar tardes de inverno em que os roscos eram feitos a pedido e me polvilhavam os dedos e a alma de açúcar e canela, num tempo em que comer algo frito não estava tão perto do “pecado mortal” como hoje ;)
.
Ingredientes*:
1 Ovo
1 Colher de Sopa de Açúcar
1 Colher de Sopa de Óleo
Raspa de Limão
Farinha QB
Açúcar e Canela para polvilhar
Óleo para fritar
.
Numa taça misturar o ovo, o açúcar, o óleo e a raspa de limão com um garfo, depois ir juntando farinha até obter uma massa que não cole aos dedos.
Formar pequenas tiras de massa e unir as pontas para formar uma argola.
Fritar em óleo bem quente até estarem dourados e a seguir passar por açúcar e canela.
.
*Os ingredientes podem ser multiplicados por quantas vezes se quiser ;)
.
Esta receita é o meu contríbuto para o "Conte-me a sua Receita" organizado pelo Cinco Quartos de Laranja.

14 comentários:

  1. Eu em miuda fazia e comia muitas argolinhas destas...Tenho boas memórias como tu...

    Bjokas
    rita

    ResponderEliminar
  2. Querida Carlota,
    gostei muito de viajar contigo pelas tuas recordações.
    Adorei os roscos.

    Muito obrigada pela tua participação.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  3. Que coisa boa e de vez em quando frito não faz mal.
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Estas 'argolinhas'( é assim que chamamos lá em asa) também me fazem lembrar as tardes de inverno em Portalegre.
    Também tenho vontade de recordar novamente esse sabor.

    Faz parte daquelas receitas que fazem bem a alma e não interessa nada se fazem mal ao que quer que seja..
    bjinhos

    ResponderEliminar
  5. Oh...fizeste recordar-me da minha querida avó, pois ela fazia tantas vezes estas argolas, que saudades, amiga! É tão bom recordarmos as nossas histórias de infância com tanto carinho! Já tenho feito estas argolas mas já não é a mesma coisa...sabem de maneira diferente, entendes...Um beijinho.

    ResponderEliminar
  6. E que bom é recordar! Sem esse crinho não seríamos certamente metade daquilo que somos hoje, pois não? Adorei a receita...ou não fosse eu uma pecadora :) Um beijinho

    ResponderEliminar
  7. Essas argolinhas também passaram pela minha infância e que boas que eram. Num destes dias ainda me esqueço do mal que faz pelo bem que sabe e faço umas quantas para o lanche.
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. O texto não podia dizer mais, adorei. :)
    Bons tempos em que não havia pecados à mesa... :) :) :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. A paixão pelas bolinhas é hereditária :) Parecem donuts, mas sendo caseiros são-no para muito melhor ;) Bj

    ResponderEliminar
  10. Minha querida, a minha avó fazia bolinhos de chuva em forma de argolinhas como essas e a receita é muito semelhante. Eu adorava as tardes em que havia massa para moldar. E era ali bem pertinho de vocês, na Manta Rota. : )
    beijocas grandes!

    ResponderEliminar
  11. A minha avó fazia uns biscoitos fritos, como lhe chamávamos tão parecidos com esses, e eu gosto tanto. Um dia destes faço para o lanche.
    Um beijinho grande

    ResponderEliminar
  12. Que sorte teres conhecido a tua bisavó.
    Naquele tempo nada era pecado.
    A minha mãe fazia uns bolos em forma de rosca, que levava erva doce.

    Bjs

    ResponderEliminar
  13. de vez em quando uns fritos nao fazem mal.
    :-)
    beijinho

    ResponderEliminar